Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

7 de maio de 2007

Eu, ex-fumador, me confesso: pela maioria. Uma vez sem exemplo, não abusem

Poucas matérias farão o pleno da opinião publicada, opinião pública e papagaios de repetição pendurados nos galhos dessa web, jardins e cafés como a legislação “anti-tabágica” que o Parlamento em má hora aprovou. Não li um único artigo, post ou notícia que não fosse naturalmente anti-proibicionista. Não que haja particular gozo em ver no mesmo barco socialistas responsáveis, social-democratas temerários, comunistas furiosos, neocons e outros embasbacados do liberalismo histéricos, além de independentes de todos os quadrantes e, até, pasme-se, um ou dois cidadãos avulsos. Não há. Nem devemos daqui retirar grandes (ou mesmo pequenas) ilações: o demérito é todo, todinho dos legisladores.

Por uma vez, sem exemplo, hein!, junto a minha voz à da imensa, colossal manada Eu, que sou um ex-fumador vai para dois anos, com orgulho e imensa felicidade, acho esta lei uma brincadeira de mau gosto. Não defende os não-fumadores. É uma lei discriminatória. É ridícula. Vai levantar problemas por todo o lado. Vai criar conflitos onde não existiam. Vai colocar mais gente contra gente, até que os fiscais baixem os braços. Não presta para nada e ou muito me engano ou não durará muito até ser repensada e revista. A bem da nação.