Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

2 de julho de 2007

Frases que levam um pessoa a decidir-se por afinal ir ver o filme de que já tinha desistido

McLane faz sozinho aquilo que os EUA, atacados pela primeira vez no seu território, não conseguiram fazer: dá cabo dos inimigos. E não quer ouvir lamechices ou demagogias esquerdistas. Quando o hacker bonzinho confessava que estava «contra o sistema», o patriota McLane responde: «This is not a system. It’s a country». Há algum tempo que não se via uma catarse tão direitolas“, escreveu Pedro Mexia no Estado civil a propósito de Live Free or Die Hard.

Tendo em conta que mesmo um adepto de séries longas, como eu, arranja fôlego justificatório para os primeiros três — nem que seja recorrendo à dialética kantiana –, o quarto da série é uma desilusão inescapável. Só conheço uma série — A Guerra das Estrelas — que conseguiu a proeza de superar o quarto filme, e mesmo tratando-se do mago George Lucas, foram precisos truques como baralhar a sequência do tempo e fazer do quarto o primeiro e renumerar a partir daí. Funcionou — mas cuidado, pois é o tipo de truque que só funciona uma vez.

Sabedor disso mesmo, estava em deixar Bruce Willis em paz no quarto Die Hard. Mas ler o Pedro fez-me mudar de planos. Eu quero ouvir — quer dizer: quero confirmar na realidade o que consigo ouvir na imaginação — John McLane a dizer this i not a system. It´s a country.

Precisamente.