Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

30 de maio de 2007

Gmail já é responsável por 1/4 das subscrições por e-mail no Certamente!

Um dia desta semana fui verificar a quantidade de leitores que preferem receber Certamente! por correio electrónico e decidi fazer um levantamento das origens, tentanto perceber que serviços de e-mail preferem as pessoas. Ou melhor, o universo reduzido das pessoas que me lêem. Os números são até certo ponto surpreendentes. desconcertantes.

Comecemos pelo princípio e pelo mais fácil. A percentagem do Gmail bate certo com as minhas suspeitas. Um quarto (ou 24% por cento, para ser rigoroso) do total de leitores por e-mail recebe-os na sua conta Gmail. Nada de especial.

Mas que dizer dos ainda 20 por cento, ou um quinto, de leitores que permanecem com contas no Hotmail, assim uma espécie de low-low level service, inferior à entrada de gama padrão? Não sei muito bem que dizer. A fidelização à marca Microsoft não pode servir de explicação. Talvez o número anormalmente alto de portugueses no MSN (sinónimo de instant messaging no país). Ou, mais prosaicamente, a inércia. O preço a pagar pelas horríveis quantidades de lixo e pela ineficácia dos filtros é demasiado elevado para o putativo benefício que se extrai de manter a lista de contactos (ufa… eu não tenho lista de contactos! Não quero! A quem tenho de enviar mail, envio).

Eis o gráfico.

gráfico da distribuição percentual de mail servers nas assinaturas do Certamente!

Reparem noutro pormenor significativo: o Sapo tem uma quota apreciável, ligeiramente superior a um em cada dez. Só me surpreende na medida em que esperava mais gente com contas Telepac ou Netcabo. Telepac, nem uma. Netcabo, apenas uma! Contabilizada em termos de gráfico nos Outros, onde estão todos os serviços que contem menos de dois representantes e que incluem tanto endereços pessoais e comerciais como de ISP, mas não os endereços do Estado.

Seis por cento dos meus subscritores recebem a edição diária de Certamente! nos mails providenciados pela rede do Estado que serve o ensino secundário (ramo RCTS) e as universidades e aqui contados, porque era mais fácil, também os poucos endereços de autarquias.

Dúvida

Neste momento, a edição do Certamente! em e-mail é ligeiramente diferente da edição web, está adaptada à leitura linear (por oposição à navegação em hipertexto). Uma das principais vantagens é a de não ter a publicidade que está presente na edição web (embora esteja previsto sponsoring, sempre mais discreto que a publicidade). É feita a partir do feed RSS e para isso recorro a um serviço excelente, o Feedburner (e a propósito, aproveite e assine seguindo este link). Contudo, é minha intenção abrir caminho a uma edição marcadamente diferente, com conteúdos exclusivos e eventualmente composta por uma selecção em vez de todos os posts.

A dúvida é: estarão os leitores interessados num tal serviço? E se sim, a sua preferência, caro leitor, iria para uma mailzine diária ou para um digest semanal? Ou ainda para a hipótese de assinar as duas ou escolher entre ambas (sendo que a semanal seria necessariamente uma selecção do melhor da semana, além dos conteúdos exclusivos)?

Não se faça rogado, perca a timidez, ajude-me a encontrar a maneira de o servir melhor, perde 3 minutos: use a caixa de comentários abaixo (espaço público), o formulário de contacto ou, se é assinante, tem a alternativa cómoda de responder ao e-mail (espaços privados).