Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

8 de dezembro de 2020

Terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Menú do dia: hidrogénio e energia para primeiro prato, social-democracia para segundo prato, TAP para sobremesa, vacinação para o café.


1
As questões ligadas à energia estão entre as mais complexas e apaixonantes da atualidade. O hidrogénio entrou na ordem do dia. E como tal estamos na fase em que se opõe no discurso público duas correntes de narrativa: a dos defensores da última maravilha do mundo e os críticos nota-abaixo. Será que, como é hábito, há um meio termo algures? Fui à procura dele. Vim sem uma convicção formada sobre o hidrogénio, mas tenho aqui uns pontos de partida importantes, em linguagem para leigos como eu.

Se não és leigo (ou sendo mas, como eu, tendo uma grande curiosidade e tolerância a não entender metade), há duas threads no Facebook envolvendo António Vidigal, CEO da EDP Innovation, Jorge Bleck (advogado) e o engenheiro e antigo ministro da Indústria e Energia Mira Amaral, que recomendo. Sobre o hidrogénio, o carvão e a política energética. No perfil de António Vidigal e no meu próprio perfil.


2
Em termos bloquistas, Marisa Matias é uma moderada. Tem mais legitimidade para dizer que é social-democrata que metade do PSD.

Uma coisa é certa: o partido que menos pode invocar a social-democracia em Portugal é o Partido Social Democrata. As suas políticas foram maioritariamente de centro-direita. Tirando os anos de Cavaco Silva, que abusou do Estado colocando-o a pagar tudo, o que era público e o que viria a ser privado, o PSD nunca pediu ou deu alguma coisa à social-democracia.

Passos Coelho nunca foi social-democrata: foi e é um liberal. Se as pessoas estivessem nos partidos pelo que são e pensam, e não pelo poder que os partidos lhes permitem obter, Passos Coelho estaria no CDS ou no Chega. Durão Barroso nunca foi social-democrata: usou o que lhe conveio, do maoísmo ao liberalismo, passando pela social-democracia. No Governo foi liberal. Na presidência da Comissão Europeia foi o que foi preciso, que é a sua habilidade maior, como fora já demonstrado na cimeira das Lajes.

O PSD é orgulhoso membro da família europeia dos partidos do centro-direita, conservadores e cristãos-democratas, agrupada no PPE (juntamente com o CDS).

O partido português que pode usar o crachá da social-democracia com orgulho é o PS. As suas políticas foram maioritariamente de centro e centro-esquerda. Tem a social-democracia implantada no seu DNA e reforçada pela prática. O PS está, de resto, bem filiado em termos europeus na família dos partidos social-democratas, agrupada no S&D.


3
Estou a fazer figas para que a Comissão Europeia chumbe o plano de reestruturação da TAP. Está nas mãos da Comissária Europeia para a Concorrência Margrethe Vestager acabar com um dos maiores pesadelos do contribuinte português. Se for chumbado, a companhia aérea terá de nos devolver os 1.200 milhões de euros que adiantámos para nada. Se, como é quase certo, não encontrar financiamento, entra em insolvência. E colapsa.

O colapso da TAP constitui uma dor de cabeça imediata mas a prazo significa a cura de uma doença dispendiosa e mortal. A opção é entre despedir 3.000 já e os outros 11.000 ao longo de penosos meses nos próximos anos. É precisa uma grande dose de lirismo, ou de LSD-25, para acreditar no futuro de uma empresa como a TAP no mundo pós-pandemia, em que o setor da aviação sofrerá uma remodelação profunda que eliminará sem piedade os mais fracos.

.oO(O ministro Pedro Nuno dos Santos teve muito azar e pronto, não se fala mais nisso)Oo.

.oO(Oxalá tivéssemos condições para acabar com a sanguessuga do Novo Banco com a mesma desenvoltura)Oo.


4
Quando foi conhecido o plano de vacinação, que assenta exclusivamente em recursos públicos, torci o nariz. E garanti: vais ver como lá para Fevereiro, depois das primeiras semanas de vacinação, a coisa vai abrir. Farmácias a vender alguma vacina para a COVID-19 a preços especulativos (se não existir enquadramento legal mas apenas “fechar de olhos”) ou a preços tabelados (se existir enquadramento), hospitais e clínicas privadas a entrar no circuito dos locais de vacinação, vais ver. Não é só uma questão de princípio. Não temos outra hipótese. Não temos estrutura nem meios.

Ora, isto foi há quatro ou cinco dias. Tempo de reajustar a minha previsão: antes do Natal saberemos a) que os privados (farmácias e grupos de saúde) vão entrar na dança e b) como vão entrar.

Porque mudei o prazo? Porque os recados de Belém e das associações não se fizeram esperar tanto quanto eu pensei. O bailado da pressão já começou.


5
OPINIÕES

Helena Araújo destrói José Rodrigues dos Santos: se quiserem entender, comprem os dois livros que José Rodrigues dos Santos escreveu sobre o assunto… 2 dedos de conversa 👉

José Manuel Neto Simões interroga-se sobre as prioridades: Para que existem as Forças Armadas. DiárioDeNotícias 👉

Helena Freitas defende: Vale a pena confiar na Ciência.Público 👉

Mariana Mortágua ataca o off-shore: Zona Franca da Madeira: licença para abusar. JornalDeNotícias 👉

Filipe Luís sorri de Marcelo: Republicano, social-democrata e católico.Visão 👉