Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

20 de novembro de 2010

O caso do sub-prime visto agora: o golpe duplo

Fulano tem um papel a dizer que é dono de 1 casa, devidamente financiado por um banco. Mas Fulano não tem dinheiro, não vai pagar o crédito. Como são milhares de fulanos tesos, os bancos chamam a isto um “produto tóxico” e causam um reboliço todo tamanho que leva o país a despender imensas, colossais fortunas para os libertar da toxicidade e ressarcir dos prejuízos.

O banco, naturalmente, executa a hipoteca e fica com a casa.

Sim, eu repito. O banco ficou com o dinheiro e a casa. O desgraçado a quem uns irresponsáveis deram crédito ficou com nada, que era o que tinha antes, os irresponsáveis obrigaram o Estado a pagar-lhes o dinheiro que o desgraçado não tinha — e ficaram com o bem que o Estado pagou.

Teorias e descrições douradas à parte, foi isto que aconteceu: os bancos ficaram com o dinheiro e as casas, os desgraçados ficaram na rua e o Estado desviou o dinheiro do contribuinte, comprometendo o seu dia-a-dia.

Chamou-se “a crise do sub-prime”. Ainda não recuperámos dela. Continuamos a acreditar que o sistema cometeu erros. Não temos emenda. O sistema também não.