Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

10 de março de 2008

A informação é a alma do negócio, não o segredo

andersonfree.pngNa economia da escassez, o segredo desempenhou um papel crucial. Ao ponto de levar à expressão popularizada, mas nem por isso menos verdadeira, de que o segredo é a alma do negócio.

Na economia da abundância a alma do negócio é a informação. Quanto mais informação dermos sobre o nosso negócio, mais hipóteses ele tem de ser sucedido.

Num ambiente de abundância de informação, praticamente não há segredos. Os preços são conhecidos de todos. O mercado é global, instantâneo e encontra-se à distância de um clique, que é distância zero e é igual para todos os intervenientes. Temos de procurar vantagens algures — por exemplo, ocupando espaço com informação sobre o nosso negócio. Quanta mais informação, melhor.

Onde é que se viu, no mercado da edição, um autor anunciar um livro, divulgando aos quatro cantos do mundo o assunto e o título, a mais de um ano da sua publicação?

E no entanto alguns dos principais best-sellers (não falo de romances, mas calculo que se aplique a mesma fórmula) dos últimos dois anos foram anunciados assim.

Vem aí mais um. Chama-se Free, é publicado em 2009 — falta mais de um ano — e Chris Anderson já começou a falar dele, a escrever sobre ele, a escrevê-lo em parte, a ser entrevistado por causa dele, a promovê-lo (ler na Wired: Free! Why $0.00 Is the Future of Business).

Esta ocupação de espaço com Free não é apenas um golpe de marketing, publicidade à obra e forma de obter vantagens em crowdsoucing: se alguém quisesse antecipar-se e publicar dentro de 6 meses um livro sobre o mesmo tema com o mesmo nome, o resultado mais provável seria uma épica batalha mediática que daria ao livro de Anderson 100 vezes mais potencial e um futuro incerto ao atrevido.

As coisas mudam mesmo muito ao passar da escassez para a abundância…