Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

21 de abril de 2011

Entrevista com Tomáš Bella sobre o PianoMedia, sistema de pagamento para jornais

Ontem mesmo estreou-se na Eslováquia um sistema de pagamentos para jornais online que promete: o PianoMedia. O primeiro jornal a tê-lo é o Dennik Sport. E ontem mesmo entrevistei brevemente Tomáš Bella, o CEO da PianoMedia (ver mais abaixo versão sem legendas).

Trata-se de um sistema experimental e corajoso. Os jornais e meios online europeus, sobretudo, deviam pagar a Tomáš Bella para ter o privilégio de assistir à experiência.

É um sistema de assinatura transversal. Ou seja: uma única assinatura permite-me entrar nas paywalls de todos os jornais aderentes. Este conceito é muito superior à ideia de uma paywall por jornal na medida em que permite economias de escala aos dois lados, sendo um sistema nativo da web, que respeita a sua natureza.

No caso eslovaco, uma assinatura mensal custa 2,9 euros, dando acesso a todos os conteúdos fechados de todos os meios aderentes.

Está a ser apresentado como uma paywall nacional, uma vez que a experiência começa por tentar angariar os meios eslovacos. No Guardian Roy Greenslade vê por esse lado, o que é normal para alguém do Guardian. Tomáš Bella confirmou-me na entrevista essa aproximação — mas explica porquê. Contudo, o PianoMedia é muito mais do que isso: é um sistema de pagamentos transversal, capaz de ser aplicado a conteúdos premium ou parciais. No PaidContent a história é mais completa.

(Resenha de Imprensa sobre o PianoMedia aqui, ao fundo da página.)

Na ausência de um sistema satisfatório que permita cobrar a leitura à unidade (página), esta é a aproximação mais lógica. Já foi aliás tentada, com sucesso, por diversos sites e até blogs. A diferença, que pode fazer toda a diferença, é que o PianoMedia nasce dentro da indústria, virado para a indústria e impulsionado por um CEO que conhece a indústria dos media (Tomáš Bella foi jornalista, chefe de Redação e dá aulas sobre online media na Pan European University em Bratislava).

Estou curioso e expectante. Não tenho a certeza que este modelo seja definitivo, mas estou mais do que convencido de que o caminho para chegar a sistemas económicos estáveis para o jornalismo online passa definitivamente por testar sistemas assim.

Fica abaixo a entrevista.