Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

4 de maio de 2008

Microsoft: que futuro depois de falhar a aquisição do Yahoo?

A Microsoft falhou a aquisição do Yahoo. A questão agora é: qual o seu futuro?

Steve Ballmer comprometeu o futuro da empresa por uma mera questão de dinheiro. O Yahoo abriu a boca, compreendendo — e fazendo compreender àquelas cabeças duras — que lá por estar atrás da Google, não é propriamente um gigante abatido. Tem muito por onde fazer bem feito, a web em movimento de expansão está longe de esgotada.

A Microsoft, pelo contrário, não consegue passar do papel de fraca imitadora dos modelos de negócio criados por outros. Continua a confiar a sua capacidade a um paradigma em vias de extinção: o de que os utilizadores se confinam ao que o seu sistema operativo lhes propõe. Todos os webservices que lança assentam na relação com a sua base de clientes.

Isto em si mesmo não é mau, pelo contrário. É bom trabalho, pelo menos manter a clientela, evitar rupturas dramáticas.

Mas é um exercício limitador. Não há crescimento nem expansão para as novas áreas de negócio da web.

Sem o Yahoo, com a sua colossal base de clientes, a sua boa imagem e a sua extraordinária capacidade tecnológica e criativa, a Microsoft não tem por onde se virar.

Fico a aguardar com expectativa os próximos passos.

(Nota: os mainstream media portugueses não foram capazes de acompanhar em tempo útil a evolução deste assunto, apesar da sua importância. Ficaram-se pelas fontes tradicionais, o que foi um erro: meia hora antes de eu saber — e eu soube tarde, ontem foi um sábado um tanto relaxado — que Ballmer desistia, a Lusa tinha um despacho inacreditável, onde dizia que as “negociações prosseguiam em silêncio”. Este despacho estava a sair automaticamente nos jornais nacionais, entre eles o Expresso, já depois de o mundo saber que as negociações tinham estoirado horas antes e de dezenas de blogues estaram a discutir os pormenores da notícia. Basta seguir as boas fontes, mesmo jornalísticas, para isto não acontecer. O mundo mudou, a velocidade mudou.)