Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

5 de junho de 2008

Obrigado, Zon

Nós cumprimos a nossa parte. Liguei o aparelho à hora habitual. Ainda vimos 3 ou 4 minutos das “notícias” do prime time: uma repórter a descer umas cordas antes do que suponho ser um concerto rock e um miúdo morto não sei bem onde porque, felizmente, o ecran ficou negro.

E negro se manteve até há instantes. Levantada a mesa, cumpri a minha parte: desliguei o aparelho e liguei os portáteis.

A televisão é que faltou à chamada.

Por mim, quase não dei pela falta. O Pedro não deu de todo (se não formos nós a disparatar sobre os noticiários, ele nem olhava para o aparelho). A Ana ainda falou nisso duas vezes — não dos nossos temas de conversa induzidos pelas “notícias”, que temas de conversa é coisa que abunda neste lar, a minha querida é, é muito apegada às rotinas, sente-lhes a falta.

A Zon é uma grande empresa. Reconhece os hábitos em mudança nos seus clientes e, gentilmente, desliga as emissões. Poupa-se um balúrdio em energia. Sinceramente, nem percebo porque é que as pessoas se queixam tanto da empresa. Ingratos.