Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

26 de agosto de 2008

Sabe o leitor quais são os jornais desportivos em Portugal?

Sabe o leitor quais são os jornais deportivos em Portugal? Se respondeu A Bola, Record e O Jogo, falhou. Peeeeeemp, wrong. Não ganha a torradeira.

Os jornais portugueses que se interessam pelo desporto, e dão notícias sobre ele, são 4 dos principais diários (Correio da Manhã não incluído) e um semanário (o Expresso). Esses três em que pensou de imediato ligam muito pouco ao desporto. Deviamos fazer uma petição para lhes passarmos a chamar de “jornais dos clubes de futebol”, e não “diários desportivos”.

Se acha que estou a exagerar, leitor, olhe que não, tenha paciência, espere mais uns dias por um artigo meu com a explicação inteirinha.

Para ir saciando a curiosidade (eu aqui ouço-o roer as unhas!) fica uma pergunta: qual foi o jornal português que deu mais espaço de primeira página aos Jogos Olímpicos?

Dica: não foi o diário que, no dia em que Nélson Évora ganhou a medalha de ouro de campeão olímpico, repetiu em manchete pela enésima vez o Fabuloso Reyes, a pretexto da assombrosa, e sem dúvida notória ambição demonstrada na frase “darei tudo para ser campeão” — tão assombrosa, única e ímpar que foi proferida no âmbito de um “exclusivo”. É daquelas coisas que só se dizem uma vez na vida, algo capaz de obliterar a importância mundial dos jogos na China com a dimensão profunda, incomensurável, eu diria divina dessas 5 palavras, “darei tudo para ser campeão“.

Consta que foi a única entrevista exclusiva que Reyes deu nos 15 minutos em que falou para o Record nesse dia, mas esta pista, de um anónimo que diz ter visto Reyes a dar mais sete entrevistas exclusivas a outros tantos jornais, rádios e televisões à saída do treino dessa manhã, carece de confirmação. Ainda assim, apurámos de fonte seguríssima e próxima da Luz que a nenhum outro jornal terá dito “darei tudo para ser campeão“, e se por um extraordinário acaso o fez, não foi em exclusivo.

Só as mentes manipuladas pelos chineses (que, como é sabido, manipularam os Jogos Olímpicos, que na realidade nunca existiram) poderão achar que uma medalha de ouro é mais importante que aquela Estupenda, Inolvidável e Há Muito Esperada afirmação do reforço do Sport Lisboa e Benfica — uma frase que por si só é, não apenas todo um programa, como a garantia da conquista do título!

O que conta mais: “darei tudo para ser campeão” ou a quarta medalha de ouro de Portugal em mais de um século de Jogos Olímpicos? Quarta medalha, campeão olímpico, bah, que vulgaridade. 3 mil no Seixal para ver o homem que vai dar tudo para ser campeão! Isso sim, é notícia de capa! Isso e o beijo de Rui Costa a David (?), a mais fabulosa das manchetes a que assisti em 30 anos de carreira, o primeiro terço dela, ainda por cima, em jornais “desportivos”.

O leitor que acertar no número de manchetes de Reyes no Record em Agosto ganha… uma colecção das capas digitalizadas deste Glorioso Jornal entre os dias 7 e 25 de Agosto de 2008. Para que jamais se esqueça deste Grande Momento.

(Se é director ou, vá lá, chefe de Redacção do Record, caro leitor, então console-se. Houve pior: O Jogo passou ainda mais ao lado dos Jogos.)

Na imagem: composição com cinco capas do Record durante o período de 15 dias em que decorreram os Jogos Olímpicos de Verão em Pequim, na China, altura do defeso futebolístico em Portugal e por toda a Europa.