Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

8 de agosto de 2008

Sequestro no BES: directos na SIC Notícias e… no Twitter

O sequestro no BES ontem, que demorou 8 horas, teve o seu desfecho seguido ao vivo através da SIC Notícias e do Twitter. A agência assaltada fica no centro de Lisboa e o assalto começou à hora de fecho, 15:00 (14:00 TMG). A SIC Notícias ligou o directo alguns minutos antes das 23:21 (22:21 TMG) — a hora a que os snipers do GOP dispararam 2 tiros supostamente certeiros que puseram fim ao sequestro. Ouviu-se um terceiro disparo de um dos polícias que irrompeu para dentro das instalações naquele instante, fixado na imagem acima, reproduzida a partir da gravação da emissão em directo da SIC Notícias (link).

A refém — supõe-se que é a gerente da dependência bancária assaltada — conseguiu fugir no instante em que ouviu os disparos, dando mostras de grande sangue frio; segundos depois vê-se o segundo dos reféns ainda tomados naquela altura — foram seis inicialmente, mas os assaltantes deixaram sair quatro ao longo do cerco — dirigir-se pelo seu pé para uma ambulância com sangue na camisa, supuseram os repórteres televisivos que de um ferimento nos pulsos, que ainda tem ligados, embora a mim me pareça que seriam salpicos de um ferimento de outra pessoa, talvez resultante de cortes em vidros, ou semelhante.

A PSP depressa cobre, com uma manga de tecido, o corredor entre a porta do banco e as ambulâncias. É tomada por certa a morte dos dois assaltantes — ao que se sabe, de nacionalidade brasileira, entre os 20 e os 30 anos, informações que a polícia não tinha ainda confirmado à hora a que publico este artigo.

Mais tarde chegam dois médicos do INEM — alto, há feridos. Um dos assaltantes está “gravemente ferido” — deixam os polícias cair informalmente aos jornalistas no local (e confirmarão depois no comunicado breve com que fecharam a acção já perto da 1 da manhã (00:00 TMG).

Os 2 suspeitos assomaram à porta, com os reféns sob mira das suas armas, pelas 23:00 — foi aí que a SIC Notícias “pegou” no directo, “cheirando” o desfecho iminente. 23 minutos depois estava tudo acabado numa acção que ficará como “exemplar” para a PSP, para grande alívio do Ministro da Administração Interna, Rui Pereira.

Ao longo desta hora e meia entre o assomo dos suspeitos, vendo-se perfeitamente a arma apontada ao pescoço da refém, e o comunicado, fui dando informações em Inglês e também para o Brasil através do Twitter, numa operação de re-difusão a que se associaram depois outros portugueses que estavam a seguir os directos (a RTP 1 falhou os timings, a TVI ainda acertou cirurgicamente no instante dos disparos, segundo foi “twitado”). A operação espontânea valeu alguns agradecimentos.

type="application/x-shockwave-flash" height="284" width="330">

name="wmode">

value="id=12147&mode=blog&mrec=http%3A//ads.iol.pt/html.ng/site%3Dioldiario%26sec%3Dplayer%26pagepos%3D7%26adsize%3D300x250%26"

name="flashvars">