Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

26 de agosto de 2007

2007: Você ameaça a Google

A web das pessoas vai continuar a crescer de tamanho e importância. A personalidade do ano passado para a Time, Você, é a maior ameaça que a Google enfrentará em 2007.

A razão é simples de perceber. Se há coisa que distingue a humanidade, é tratar-se de um conjunto extraordinariamente heterogéneo de indivíduos com preferências, gostos e idiossincrasias ainda mais extraordinárias. Por vezes esse conjunto age como um ser único. A emoção quando o astronauta Neil Armstrong pisou solo lunar teve escala planetária e unitária, sendo duvidoso que mesmo o pior inimigo dos Estados Unidos não tenha reagido principalmente como membro da humanidade (com regozijo) e depois admissivelmente como membro de um subconjunto desse todo (com inveja e/ou desprezo). Depois, a corrida ao espaço retomou o aspecto normal de uma corrida: com a mesma meta à vista, indivíduos ou grupos usam formas diferentes de alcançar objectivos diferentes por razões diferentes – provocando uma cascata de sentimentos e comportamentos ainda mais diferentes.

O apreço pelas capacidades do Google foi um destes momentos em que todos somos um. E se podemos apontar 2006 como o culminar dessa Google-apoteose, iniciada dois anos antes com a IPO, 2007 vai ser o ano do regresso à normalidade. You, Você, esse colectivo amorfo que a capa da Time dedicada à personalidade do ano de 2006 imortalizou (e graças à qual jornais até agora indiferentes passaram a tratar a web social como uma coisa séria e não um circus freak), não existe: é um conjunto altamente complexo de indivíduos que operam num mundo virtual no qual as regras físicas não se aplicam e onde tudo está por definir.

Onde mesmo o impensável pode acontecer.

Para os que acham que o tamanho e a competência são factores de estabilidade que garantem a uma marca como a Google um futuro risonho não importa o que aconteça, basta citar dois nomes: Novell e Microsoft. Há apenas uma década a Novell era sinónimo não apenas de excelência em matéria de redes: era a rede. Não fosse o “vapor” todo em torno do seu produto mais adiado da história, o duvidoso sistema operativo Vista, e os sucessivos remendos para os buracos nos seus produtos de que se alimentam as indústrias dos vírus e antivírus, a Microsoft quase não teria sido objecto de notícia em 2006.

Não, a Google não pode adormecer à sombra dos louros. Você ameaça a Google.

Você amanhã vai estar a usar, com afinco, o Search Wikia, um serviço de buscas que, indo onde o Google não vai, incorporará a inteligência humana para melhorar os resultados das buscas. (É um projecto de James Wales, fundador da Wikipedia, e tem importante financiamento e apoio da Amazon.com.)

Você amanhã vai fazer pesquisas dos seus temas favoritos – arquitectura, por exemplo – num portal onde encontra conteúdos especializados num assunto, elaborados e filtrados por pessoas que são autoridades (maiores e menores, das correntes dominantes ou das alternativas) nesse campo, e onde uma pesquisa simples retornará resultados bastante superiores qualitativamente aos de um motor de busca genérico, ao qual é preciso dar comandos específicos para estreitar o espectro da busca (pesquisas complexas, que consomem tempo).

E as questões da língua? Os filtros que o Google oferece para distinguir o português de Portugal do português do Brasil, em maior quantidade mas do meu ponto de vista dispensável em 99 por cento dos casos em que procuro alguma coisa na minha língua de berço, são de uma pobreza abaixo do limite franciscano. São ineficazes.

Em 2007 portais como o Sapo vão fazer melhor concorrência ao Google em domínios como a língua e as especificidades culturais e regionais. Em 2007 portais como o Yahoo!, que tem vindo descansadamente a evoluir tecnologias sociais, tirarão ao Google parte do protagonismo mediático de que este gozou nos últimos dois anos. Em 2007 a web social verá multiplicadas pelo factor N o número de aplicativos e serviços que, mesmo aproveitando materiais compilados pelo Google, e sendo por este apadrinhados, ajudarão a tirar importância à marca Google.

A Google Inc . sabe disto tudo. E Você, sabia?