Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

19 de setembro de 2007

A campanha é cega

O código de processo penal esteve em discussão por parte dos cidadãos e instituições durante um alargado período de tempo. Todos tiveram tempo e oportunidade para fazerem ouvir os seus argumentos. O debate teve lugar — e se não teve, foi pelo desinteresse das pessoas, não por falta de palcos nem ausência de empenho dos promotores.

Só há uma forma de explicar o corrente coro de protestos. É no contexto da campanha de ataque sistemático à acção legislativa da área do governo. Não tem nada a ver com gostar ou não gostar, defender ou não defender o actual executivo. Não tem nada a ver com o que eu penso sobre a revisão (que se resume numa palavra: nada). Tem a ver só com esta deplorável faceta da “sociedade civil” lusitana, que aplaude ou pateia as decisões conforme o cartaz que alguém empunha no fosso da orquestra.

O “português” quer lá saber de debater assuntos sérios. O português quer é gritar vivas e morras a quem tem o poder no momento.

(Agora chamem-me bloco-centralista, a ver se me importo)