Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

13 de julho de 2006

Advocacy killed the radio star

Quem leia hoje as notícias sobre o último estertor da indústria musical nascida no século passado não pode deixar de pensar em duas coisas.

Primeiro, que quem faz orelhas moucas a uma década de avisos merece tudo o que lhe aconteça a seguir, legal e ilegal.

Segundo, que a música há muito deixara de ser um item cultural. A lógica do mercado asfixiou a criatividade por volta dos anos 80, gerando ainda uma revolução contrária (o punk), as estrelas seguintes ou vêm dos 60/70 (e antes…) ou foram produzidas pela indústria no seu apogeu. O que resta dela, indústria, são meia dúzia de patéticas associações de advogados e legalistas que prosseguem a “nobre” missão de extorquir uns dólares a meia dúzia de desgraçados ao abrigo de leis em que já ninguém acredita. Que tristeza.