Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

10 de novembro de 2006

Aspirina B, o blogue da semana

Dos que li ao longo desta semana, o Aspirina B foi o mais inspirado. Talvez porque encontrou debilitada a direita ortodoxa que se faz passar por moderna liberal, a braços com a derrota de George W. Bush, o bebé com que andou ao colo nos últimos anos e que já toda a gente — excepto o inamovível troll João Miranda — mandou pastar. Ou talvez apenas porque anda com joie de vivre, algo que torna os dias mais fáceis e alegres — por oposição, o ódio e o ressentimento enquanto motivações mascaram o respectivo enfronhado de poderoso mas deixam simplesmente um cadinho de nada quando o inferno termina (e o Inferno termina!) e um imenso vazio no estômago (da alma nem vale a pena falar pois já se foi na sarjeta há muitas luas).

Entre as aspirinas, destaque para o Luís Rainha. Ai se este homem tivesse tempo para escrever, como têm certos madraços que vivem do que lhes deixaram.

Segundo lugar para O Insurgente, sempre a subir desde se emancipou em domínio próprio. Nem sempre é ao meu gosto, mas a questão de gosto não impede o reconhecimento da qualidade da série de cartoons de Helder. O desenho satírico tem uma longa tradição em Portugal, da direita à esquerda e há pelo menos três séculos. A capacidade (auto)crítica de Helder está acima do alecrim, manjerona e umbigos; entra no campo do artista do lápis.