Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

4 de novembro de 2006

Cem milhões de quê?

A CNN (e outras fontes) mencionaram nos últimos dias a ultrapassagem da barreira dos cem milhões de sites (Web reaches new milestone: 100 million sites, por exemplo).

Mais prudentes foram os jornais portugueses, pelo menos os que eu vi. E que escreveram correctamente tratar-se de cem milhões de domínios.

A diferença é grande. Tremenda, mesmo. Um domínio pode albergar centenas, milhares de sites. A quantidade de domínios que não possuem sequer um site é por outro lado colossal. E está a aumentar, consequência da economia própria da Internet. Os domínios tornaram-se, como a terra, um bem comercializável. Há quem compre domínios para revenda, na expectativa de gerar mais valias interessantes.

A explicação para o aumento do número de domínios, número este que dobrou em apenas 30 meses (eram cinquenta milhões em Maio de 2004), tem muito a ver com a explosão da web na China e com a tendência para os blogs terem o seu próprio endereço (que ainda não chegou a Portugal).

Mas, convém dizê-lo, também resulta de preços cada vez mais baixos e acesso facilitado. Hoje, comprar um domínio .com e noutras hierarquias de topo genéricas custa entre zero e os dez euros anuais e obtém-se um domínio funcional em escassos 10 a 15 minutos. Há apenas dois anos os preços estavam ainda na zona dos dois dígitos, o processo de criação era relativamente complexo implicando mais intermediários e decorriam tipicamente 24 a 48 horas até o domínio ficar operacional.