Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

15 de janeiro de 2007

Central nuclear em Portugal: regresso ao tema

Chegou há momentos um comentário a um post com quase um ano: Nuclear? sim, obrigado!, aqui publicado a 22 de Fevereiro de 2006. (Prova a importância dos arquivos na leitura dos blogues, desprezada por alguns bloggers tidos por “sumidades”, mas deixemo-nos de trocos.)

Porque acho que é relevante e a temática da energia não sairá tão cedo da ordem do dia, mesmo que secundarizada por pintaínhos cegos cobertos de petróleo, aqui destaco (editado) o que João Filipe Inácio M. escreveu em 15 Jan 07 às 14:09:

«Sim ao nuclear!

Sobre o problema dos russos (Ucrânia na verdade)… Na história do mundo houve um problema em Chernobyl e duas bombas atómicas… Acho que é mais provável uma bomba atómica cair cá!

Agora a sério. As centrais nucleares de hoje em dia não são como eram antes. Os problemas que a Rússia teve deveram-se somente ao declínio do seu império e à falta de money para o manter. Em Chernobyl o culpado foi um engenheiro e um teste estúpido e não a tecnologia. Estamos em 2007 e já há centrais nucleares desde há… 60, 70 anos?

O deficit do Estado existe porque importamos e importamos petróleo para produzir energia! Era bom termos um rio como o Brasil! A EDP fez lá uma barragem que pode abastecer uma cidade de cinco a seis millhões de habitantes (metade da população de Portugal). Se toda a UE faz, nós temos de fazer também. As energias renováveis só daqui a 30 ou 40 anos (se não mais) vão ser rentáveis. Já estamos muito tempo atrasados. Foi a minha primeira desilusão com Sócrates, quando ele no Parlamento disse que nunca iria fazer uma central nuclear :( »