Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

2 de janeiro de 2005

Contra ventos e marés

«Se tu e eu fôssemos um barco, um veleiro, se os nossos corpos se fundissem num único objecto com essa natureza, que parte seria eu dele?». A pergunta saiu direita ao olhos dele, passeou-lhe nos dedos metidos no cabelo, ficou suspensa numa interrogação inaudível.

«Se eu fosse um barco contigo, tu serias a quilha» – respondeu e os olhos dela pronto humedeceram. «Foi o que pensei que responderias quando antecipei perguntar-te», disse comovida antes de perguntar «e que parte achas que eu direi que tu serias?».

«Eu sou a vela. Eu levo-te. Tu dás o equilíbrio, eu a força motriz».

«Claro» – sussurrou ela antes dos seus lábios desembocarem na boca dele.

Reconhecidos, nessa noite dormiram muito abraçados.