Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

3 de abril de 2007

Da direita reaccionária aos cartazes do PSD

Digo-vos: sinceramente, não me incomodou um pêlo púbico toda a histeria à direita reaccionária. Salazar ganhou um concurso de televisão? Não é propriamente o primeiro facínora premiado pelo voto popular numa celebração acéfala do ritualístico entretenimento de massas. Nem será o último. Tem algum significado? Tem o que cada um lhe atribuir. Nem mais, nem menos. Ou seja: não existe para além da nossa epidérmica reacção ao episódio.

[ Como está bem de ver, o problema não é Salazar; é a celebração acéfala do ritualístico entretenimento de massas. Ui é muito grande, não pode ser em duas letras? Claro, não seja por isso, tomem lá: tv. ]

Quanto ao outro caso, um partido ultra-minoritário fez um cartaz que, do ponto de vista da sua comunicação, foi o melhor conseguido da sua história e um dos melhores (uma vez mais, de um ponto de vista profissional) exemplos de marketing que vi em Portugal nos últimos anos. A mensagem do PNR é um peido reaccionário do piorio? Duh. E…?

Eu, dono da agência ou cliente, promovia o autor do cartaz. É de mau gosto? Oh oh. É ineficaz? Ai isso é que não! Fez mais pelo PNR que todos os euros gastos pelo partido desde que existe. Somados e multiplicados por cinco. Por dez. É bullshit? Duh! E…? Dentro de dois meses alguém se lembrará que “esses gajos” são uns xenófobos? Eventualmente, pois que eles já eram conhecidos por aí, nada de novo. Mas dentro de dois meses muito mais pessoas se lembrarão do PNR, essa é que é essa, e não do lema “imigrantes, go home”.

Já despromovia os autores dos cartazes do PSD que supostamente deviam fazer oposição ao Governo. Um deles diz algo como: mais 350 euros de impostos por pessoa e você ainda acredita? (Não tenho a certeza sobre os valores, mas you got the picture). Bem, se são estes a dizer, e não o Governo, então é verdade de certeza! Claro que acredito! — pensa a esmagadora maioria das pessoas que lê aquilo. Porque a esmagadora maioria das pessoas que lê o cartaz sabe que ela, e os seus vizinhos, não pagou mais 350 euros de impostos, pagou mais dez ou menos dez, depende — logo aquilo só pode ter um significado: finalmente um governo consegue ir aos bolsos de quem deve. Cool! (Perdão: que fixe!)

Um conselho, PSDs: deixem passar uma semanita ou duas e contratem a agência que fez o servicinho ao PNR.