Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

7 de maio de 2007

De Jardim a Sarkozy, da Madeira a Paris, nada de novo

Na Madeira venceu o governante incompetente que o continente insiste, cego, em manter no poder, alimentando uma ficção não se consegue, já, perceber porquê. Como contribuinte e eleitor desde já anuncio que o meu futuro voto vai para o partido que das duas, uma: a) der a independência — já!, imediatamente, se possível com efeitos retroactivos! — à Madeira ou parar com a farsa da “autonomia” sem rumo, que está a drenar as outras zonas periféricas do país, e cujas populações (e autarcas) mereciam pelo menos uma oportunidade. A oportunidade que sustentar a Madeira de Jardim lhes rouba há duas décadas.

Ao contrário do que opinou, sem dúvida bem intencionada e esperançosamente, Guilherme Silva, a Madeira não parece nada preparada para uma “mudança de ciclo económico” e muito menos para um ciclo de investimento privado. Não. Jamais com Alberto João Jardim à frente. É preciso uma fé maior que a de Fátima para acreditar que um homem que passou a vida a exigir e a gastar à tripa forra milhões públicos seja capaz de reinar com os cêntimos privados a que uma economia privada remeteria a ilha. A Madeira parece preparada, sim, para um cenário de crise e convulsões à medida que se fechar a torneira dos euros e as estradas e pontes e edifícios forem ficando sem manutenção. Vão ver o triste espectáculo. Jardim não plantou amigos nem aliados. Ao longo de 25 anos semeou apenas bajuladores e dependentes. Quando secar a fonte que os mantém à tona, pisam-no sem pestanejar. A ele e ao partido dele, se este também se mantiver de olhos fechados.

Em França ganhou o candidato do centro mais cinzento, Nicolas Sarkozy. Nada vai mudar, verdadeiramente, no centro da Europa. Pelo contrário, a França continuará a ser um palco de tensões sociais e um problema estrutural para a União Europeia. Com Ségolène seria provavelmente a mesma coisa, só um pouco mais colorida. That’s all.

Ah! Sim, agora uma notícia digna desse nome! Em Inglaterra o Chelsea perdeu o campeonato para o Manchester! Mourinho, ultimamente um pouco mais arrogante do que é seu hábito, teve um discurso estupendo na derrota e volta a somar pontos: é um verdadeiro homem do futebol.