Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

16 de janeiro de 2006

Deixa ver se percebi (act.)

DEIXA VER SE PERCEBI. José deu-se ao luxo de criticar Carlos e Manuel e outro José e António e André por estes usarem o anonimato — e parte “significativa” da blogosférica plateia aplaudiu. José (o primeiro) fez mesmo crer a essa parte “significativa” da blogosférica plateia que pagamos (ou o papá paga por nós) um preço pela liberdade, sendo esse preço levar com as perorações dos Carlos e dos Manuéis e dos Josés deste mundo acerca da actividade política!

Estranhamente (ou, pensando bem, talvez não) parece irrelevante para a plateia o facto de José (o primeiro), que nunca nos informou em que qualidade escreve (político ou ex-político? cidadão? ex-deputado? ex-vice-presidente do Parlamento Europeu? filósofo? historiador? escritor? Português Famoso?), poder ter acesso com um telefonema (ou nem isso) às identidades mais ou menos detalhadas de Carlos ou Manuel ou o outro José — ou, para sermos francos e directos, de qualquer um dos escribas da GLQL.

Menos estranho é o facto de nenhum dos aplaudentes se ter dado ao trabalho de confirmar o suposto anonimato de Carlos e Manuel e José. Na rede as alianças fazem-se e desfazem-se com um sopro. E valem proporcionalmente.

Este post não foi escrito pelo Paulo Querido que os leitores conhecem, mas sim por um anónimo que por ironia e acaso também se chama Paulo Querido.