Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

6 de junho de 2007

Grupo CIN reorganiza-se em parceria com a IBS

A IBS, fornecedor de soluções de gestão empresarial, foi a empresa escolhida pela CIN para a uniformização dos procedimentos de negócio do grupo através da modernização dos sistemas de informação globais do grupo através da implementação da solução IBS Enterprise ASW.

A CIN lidera o mercado ibérico de tintas e vernizes com um market share de 30% no mercado português e 12% no mercado espanhol, empregando cerca de 1200 colaboradores nas suas fábricas de Portugal e de Espanha. A empresa encontra-se na 16ª posição dos fabricantes europeus de tintas e foi a primeira empresa em Portugal a disponibilizar um processo computorizado de mistura de mais de 5000 cores, denominado sistema Colormix.

Com produtos divididos em áreas de negócio como decoração, indústria, repintura automóvel, protecção anticorrosiva e acessórios de pintura, o Grupo CIN tem a sua presença distribuída por Portugal, Espanha, Angola, Moçambique e Cabo Verde, exportando para a Alemanha, França e China.

A necessidade de uniformização de procedimentos entre as várias empresas do Grupo CIN, enquadrada numa nova estratégia global de planeamento, trouxe algumas especificidades particulares que exigiam da nova aplicação uma elevada flexibilidade para dar resposta aos diversos sistemas fiscais e diferentes idiomas existentes na geografia de actuação do grupo. A esta complexidade de integração juntou-se também a necessidade de respeito de diversos

requisitos de eco-eficiência pelos quais a empresa tem de se regular.

“A resposta mais eficaz e flexível foi dada pela solução IBS Enterprise, ASW. Além de ser o melhor produto, acabou por dar continuidade a uma relação de confiança e parceria que já existia entre as duas empresas há mais de dez anos,” salienta Luís Pinto, Director de TI, Grupo CIN. “Encontrámos algumas soluções fortes, mas eram pouco flexíveis, não admitiam alterações estruturais. Queríamos uma solução que se adaptasse às nossas necessidades e

à nossa realidade, e não o contrário”.