Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

18 de janeiro de 2005

La différence entre

Sim, eu também vivia na ilusão de que José Sócrates e Pedro Santana Lopes eram duas faces da mesma moeda, sendo a moeda a nova geração de políticos e as faces os dois partidos do centro diferentes na nuance. Confesso que tal atitude foi em muito influenciada pelo repetido confronto televisivo entre ambos (onde de resto gostava mais do tom grave de Sócrates e menos da leviandade de Lopes, mas menos do jeito seco de Sócrates e mais da frescura de Lopes).

Todavia contudo porém, seis meses a ver Lopes desgovernar como ninguém, desperdiçando a oportunidade de ouro que lhe caiu imerecidamente dos céus, e a escuta mais atenta (e até presencial, na sessão das Novas Fronteiras onde estivemos juntos, ele e eu) do discurso de Sócrates fizeram-me arrepiar caminho. Acreditem em mim: há uma diferença entre ambos. Uma grande diferença.

É aliás injusto para Sócrates este tipo de comparação. Na mesma medida em que é lisonjeiro para Lopes ver-se confundido com uma pessoa de outra, digamos, extracção. Um tem obra feita, discutível ou não. O outro desbaratinou uma atrás da outra as oportunidades de a fazer. Um tem cérebro. O outro, suporte de brilhantina. Um pode um dia tornar-se estadista por via das eleições. O outro é um reconhecido estradista das eleições.

É também injusto para Sócrates herdar o país na situação calamitosa em que Lopes lho deixa. Mas aí ele está por sua conta e risco: acredita que pode dar a volta por cima e candidata-se à tarefa. Eu admito que tenho dúvidas. Mas um merece-me o benefício das ditas enquanto o outro já o esbanjou.