Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

7 de novembro de 2007

O que é a fé?

A fé é o potencial não realizado das pessoas. É como a quota das horas de sol, mas ao contrário: em não se gastando todas, pois uma pessoa fica ali com um ligeiro desconforto, uma força que não se gasta, não se exprime, não teve por onde sair.

Faz-se com esta energia praticamente qualquer coisa.

Ao longo da Grande Caminhada foram aparecendo uns espertos que souberam ver, catalizar e dirigir essa energia individual esparsa. Invariavelmente em projectos próprios, quase sempre megalómanos.

Aos maiores, ou mais duráveis, desses projectos, cujas origens se confundem na mitologia, chamamos modernamente de religiões. Aos símbolos instrumentais dos processos de catalizar e dirigir a energia, chamamos nomes mais diversos, depende do contexto e dos interlocutores. Dois nomes comuns, para dar uma ideia, são deus e diabo.

Como está bem de ver, isto não é nem ciência nem teologia. Apenas um humilde vislumbre.

Pessoalmente, não me incomoda — e até acho sensato — ver pessoas que através da concentração em frente a um altar focalizam a sua energia, ou uma parte dela, e a empregam depois nalguma tarefa. Uma parte substancial da bondade humana operou-se por esse processo, bem como uma parte substancial da maldade humana.

Este século, dizem os entendidos e eu partilho, a fé vai novamente mexer montanhas. Já começou a atirar torres abaixo — e isso não foi nada. Vem aí muito mais. Tenhamos fé. Quer dizer: tende fé.

ensaio, , Geral

Partilhar na web