Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

25 de março de 2005

O beijo de Rodin

Provando que uma emoção nunca vem só: 1-momento especial de magia pessoal no tabuleiro da Waterloo Bridge, 2-Almada descoberta por baixo da dita ponte, 3-olhos embargados perante Modigliani, 4-dou de chofre com isto

Recuei. Munta comoção na mesma tarde. Ganho confiança e entro na sala. As pernas traem-me. Sentamo-nos ao lado de O beijo. Uma das três versões feitas ainda o Mestre cinzelava. Nenhum de nós sabia que “aquilo” estava em Londres. Ignorantes! Os transeuntes passam. Uns conhecem. Uns não, mas sentem a força. Outros passam por ela como cães por vinha vindimada. Ignorantes…

Tanta coisa por causa de um pedaço de mármore – dirá o leitor. Condescendo. A história da emoção é a minha: há 25 anos que queria ver O beijo tal qual Auguste Rodin o esculpiu. Só isso. Só isso? Pois, tinha logo de me acontecer ao lado da Ana. ( clique no thumbnail para ver o instantâneo pessoal, tirado com o meu P800; já o link da Tate mostra uma foto decente )