Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

5 de setembro de 2006

O Independente: o pior jornal português?

Uma actualização ao texto anterior sobre O Independente, como pode um jornal assim servir de exemplo?: adicionar o nome de Leonardo Ferraz de Carvalho aos talentos que O Independente me apresentou. Esquecimento desastrado. Obrigado ao Pedro Fonseca por mo ter lembrado.

Aproveitando a onda, uma breve lista de textos (de jornalistas) contra a maré das carpideiras que anda a “limpar” a memória histórica d’O Independente (nem arrisco meter-me no capítulo das motivações), jornal que tem o seu lugar na história da imprensa portuguesa e não merece o incenso e o altar.

Da vivência na lógica interventiva do semanário, lembro-me de um actual director de uma revista escarrapachado numa cadeira a questionar um ministro sem ter qualquer ideia do assunto para o qual tinha sido chamado. Pormenores.” (uma vitamedia de Pedro Fonseca no Contrafactos & Argumentos)

O Independente foi o jornal que melhor cumpriu (apesar de muitos e graves acidentes de percurso) uma missão nobre do jornalismo, o escrutínio do poder” (João Paulo Menezes, no blogouve-se)

O Independente foi o pior jornal que já comprei. Pior no sentido do desrespeito por regras essenciais do jornalismo (técnicas e deontológicas)” (idem)

Chora-se pelas vielas de Lisboa que hoje não se consegue fazer «jornalismo agressivo» como o do Independente.” (Ainda o Indy, João Morgado Fernandes no french kissin’)