Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

13 de dezembro de 2007

Opensource, finalmente: Movable Type vê a luz

A Six Apart viu a luz viu a luz e abriu o código do Movable Type. Passou a ser open source. Espero que não seja demasiado tarde. O projecto do casal Trout tinha apostado num modelo que dá dinheiro apenas num período de tempo curto e não tem hipótese no long run.

Não pensem que lá estou eu a defender o código aberto, aqui não é isso. É vermos o que funciona e o que não.

Os sistemas fechados (locked-in) têm tido sempre o mesmo destino: estão muito mais expostos aos garagistas (há tempos numa sessão de altos quadros da indústria perguntaram ao CEO da Google de que tinha a companhia mais medo, se da concorrência (Yahoo!, Facebook, social networking) se dos problemas legais (copyright, YouTube) e de imagem (relação com China); Schmidt respondeu algo como isto, versão livre: “nopes, tenho medo é dos putos nas garagens”).

A verdade é esta: o melhor CMS de blogues nos anos 2003/05 foi ultrapassado em pouco mais de um ano pelo WordPress, que Matt Mullenweg começou na garagem aos 19 anos, e enfrentava agora um dilema.

Ao contrário da geração que fez a Microsoft e hoje está pronta para sopas e descanso num retiro (naturalmente forrado a ouro), Ben e Mena Trout e os seus financiadores, como Joi Ito, são novos, é demasiado cedo para encostar à box. O WordPress comeu-lhes para já a maior parte da atenção da comunidade de desenvolvedores. Vão ser interessantes de seguir os próximos capítulos — até porque o MT está muito bom, precisa mesmo é de momento, de buzz, de gente e entusiasmo.

Nota à parte: talvez isso reacenda um pouco a dicotomia perl-PHP :)

(Via Blog Herald.)