Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

19 de dezembro de 2005

Os espantalhos

OS ESPANTALHOS. Os dirigentes do Partido Socialista que vieram apelar à desistência dos candidatos da esquerda em prol do seu candidato oficial, bem como as luminárias do comentário que pontificam na televisão, rádio, jornais e blogs (até prova em contrário reafirmo que o espaço da comunicação social, de patrões a directores a jornalistas a opinion-makers, é maioritariamente de direita), deviam ler a lei eleitoral. Dos segundos não se espera outra coisa, mas aos primeiros não lhes fica bem agitar espantalhos. A verdade, nua e crua, da lei eleitoral é esta: quanto mais candidatos houver, mais possibilidades de dispersão de votos, logo, maior dificuldade de um deles ser eleito à primeira volta. Não há outra leitura das regras, copiadas do site da Comissão Nacional da Eleições (negritos meus):

a) todo o território nacional constitui um único círculo eleitoral.

b) as candidaturas são apresentadas por um mínimo de 7500 e um máximo de 15 mil cidadãos eleitores.

c) vigora o sistema de escrutínio maioritário de duas voltas:

- será eleito o candidato que obtiver mais de metade dos votos validamente expressos, não se considerando como tais os votos em branco (maioria absoluta).

- se nenhum dos candidatos obtiver esse número de votos haverá segundo sufrágio, ao qual concorrem apenas os dois candidatos mais votados (maioria relativa).

Façam menos contas às percentagens e somem votos.