Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

21 de fevereiro de 2008

Palavras de Sócrates: as vantagens das análises do Público e da minha

Ontem passaram três anos sobre a eleição da maioria absoluta em que se baseia o actual Governo e eu assinalei a efeméride com novo serviço, aplicado aos discursos oficiais do Primeiro Ministro José Sócrates ao longo deste período.

Ontem também sucederam diversos episódios on e offline que me roubaram o tempo para acompanhar o lançamento — há sempre retoques de última hora, ajustes, e também responder às críticas e dúvidas.

Ontem, ainda, o diário Público publicou uma peça jornalisticamente magistral, um regalo para a vista, aquilo que faz um jornalista ficar orgulhoso do seu jornal ou até, como foi o meu caso, de um jornal que não é o meu, mas dá gosto ver.

Duas páginas com uma nuvem de palavras!

É simplesmente notável, ficam os parabéns na pessoa do António Granado, que as poderá transmitir ao Miguel Gaspar.

palavrasjosesocratespublico.jpg

Na edição online figura a menção ao serviço, ou ferramenta, de análise semântica que desenvolvi nas últimas semanas e para o qual tenho recolhido material e indicadores há dois anos. Elaborar uma nuvem de palavras é muito mais complicado do que parece. Esse é, talvez, um dos pontos do seu fascínio. É que simplifica em sinais de fácil assimilação pelo cérebro uma realidade bastante complexa e que de outra forma não se consegue descrever sem sinais igualmente complexos. A agravar a tarefa estão os caracteres especiais do português. Uma das aproximações consiste precisamente em eliminá-los do objecto de estudo antes de iniciar o estudo…

Pouco elegante, diria eu – e sei que o meu amigo Miguel Vitorino concorda: ele está, até, mais adiantado que eu nesta matéria.

Os dois trabalhos não concorrem um com o outro. Partem da mesma base teórica — eliminar as common words e os tempos verbais, agrupar logicamente palavras (português, portuguesa, portugueses e portuguesas agrupam-se debaixo de um só conceito, Portugal) — mas daí para a frente distiguem-se. Não são comparáveis nem nos meios de reprodução (papel / online), nem no âmbito de publicação (fixa / evolutiva). Mas a benefício do inventário, porque esta é uma nova ferramenta de perspectivar o real e o público e os jornalistas portugueses ainda estão num estádio inicial de relação com ela, aqui deixo um quadro que permite, espero, compreendê-las melhor.

meu quadro das palavras de jose socrates

Diferenças e vantagens