Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

21 de dezembro de 2006

Para a colecção de respostas a spammers "legais"

> De acordo com a legislação internacional que regulamenta o correio electrónico,

> Secção 301, parágrafo (a)(2)(c) Decreto S 1618, título terceiro aprovado pelo

> “105 Congresso Base Das Normativas Internacionais Sobre Spam” diz o seguinte:

> “O email não poderá ser considerado SPAM quando incluir uma forma do receptor

> ser removido da lista” . Se por algum acaso o seu nome está incluído nesta

> lista por erro ou gostaria de ser removido desta lista, por favor devolva-nos

> esta mensagem com “remover” na linha de assunto (não esquecer de fazer a devolução

> pelo mail que deseja ver eliminado, se não fizer isso ficaremos impossibilitados

> de o remover).

>

Minha resposta

O que a legislação internacional não diz, mas a mim me interessa particularmente, é sob que forma podem e devem os consumidores — que não foram tidos nem achados para serem alvos dos spammers, candidatos a spammers e enviadores de emails não solicitados em geral, ao abrigo de leis feitas a correr, sem debate público e “compradas” — reagir a esta violência e intromissão deliberada nas suas vidas privadas, pra não mencionar o abuso dos seus recursos informáticos e de conectividade.

Da minha parte reajo desta maneira: além de passar a desprezar automaticamente as empresas e produtos que sobre mim fazem recair os custos do seu marketing enfiando-me mensagens que eu não pedi, não quero, enfio também automaticamente nas blacklists à minha disposição as ditas cujas mensagens e respectivos domínios.

Quanto à vossa magnanimidade de me informarem do meu direito a confirmar-vos por e-mail que recebi a vossa mensagem e doravante poderão incluir o meu endereço onde vos apetecer, mascarada de opt-out desta lista que não voltará provavelmente a ser enviada, obrigado — mas da mesma forma que não fui eu a pedir para nela ser colocado, não serei eu a pedir para dela sair. Continuem a contribuir para o consumo estúpido e sem sentido de recursos informáticos e energéticos da maneira que vos aprouver. Não precisaram do meu consentimento anterior, porque havia eu de pensar que me respeitariam a seguir?

Adeus.