Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

28 de dezembro de 2006

Sol vendeu média de 126.000 nos três primeiros números

Os leitores que diariamente chegam a este espaço através das pesquisas por Sol, semanário Sol, José António Saraiva e JAS vão gostar disto.

Por seu turno o semanário “Sol”, apenas auditado nas primeiras três edições (este jornal foi lançado em 16 de Setembro) registou uma média de 126 mil exemplares vendidos. Um número que ficou aquém da média de 197,842 mil exemplares vendidos pelo EXPRESSO naquelas três semanas, tendo em conta dados fornecidos pelo grupo Impresa. Segundo a APCT, a média registada pelo EXPRESSO nas cinco semanas de Setembro foi de 175 mil exemplares” (fonte: Expresso online).

Eu acho notável. Bem sei que o ex-director do Expresso falhou o objectivo que ele próprio anunciou aos media, mas continuo a pensar que tal anúncio era mais show-off que convicção (devo ser o único jornalista do país a pensar assim, mas é o que penso mesmo). Nas três semanas em que há comparação, o Expresso vendeu 197 mil exemplares em média por edição — logo, o Sol não ganhou a batalha das vendas.

Duvido que alguma vez o Sol supere o Expresso. Não tem recursos e estrutura para isso. Nem mesmo com uma edição digital aberta, ao contrário da do Expresso que ainda está fechada, conseguiu em três meses uma posição de relevo nos índices de notoriedade (ver Technorati e Google). Mas as vendas dos três primeiros jornais não podem deixar de ser consideradas positivas.