Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

23 de agosto de 2007

Tudo artístico, tudo entulho

Isto os links são como as cerejas e tinha eu acabado de responder a um leitor sobre as minhas fotos da catedral de Milão e segui um link no meu backoffice que me levou… ao Luis Carvalho.

O Luis mete-se comigo num post que reproduz o Zero de conduta, a partir do qual se levantou mais um falso testemunho sobre a fúria censória do Governo. Um opinião, e mal fundamentada, e daí não passa, mas esse é tema velho (além de que publico algumas coisa nova no sábado, no Expresso, pelo que nada mais acrescento por aqui agora). Respondi-lhe no Instante fatal com uma pergunta que aguarda resposta.

Mas o Luis, como sabem, é jornalista e fotógrafo. E tem sobre isso dois posts imperdíveis, já que o meu leitor JL Andrade puxou do tema.

Convém repetir aqui que eu não sou fotógrafo nem tenho nenhuma pretensão com as fotos que vou tirando, nem sequer as assino. Sendo o meu entulho, não deixam de ser entulho. Coloco-me no meu lugar, que é ao lado do Luis, todo divertido ;)

Respigo de Fotojornalismo ou fotodecoração?

Fotografias giras, bonitas, fotógrafos habilidosos e photoshop, há em todo o lado. Pode ser gratificante, simpático, egocentrista…mas não faz fotojornalismo.

Corremos o risco de voltarmos aos concursos de fotografia de salão: tudo artístico tudo entulho. Queremos arquitectos da imagem, não queremos decoradores.

E de Os chicos espertos da fotografia

Agora meus caros: aquelas vigarices que se apresentam no Besphoto e em muitas exposições da Dona Siza não gosto: são mal executadas, faltam-lhe técnica, são básicas, básicas, básicas.

[...]

Tornou-se tique em Portugal uns putos arrivistas acharem que os fotógrafos com carreira ( coitados! Carreira em Portugal!) são uns velhadas que vivem à custa do nome e que ganham bem e saem cedo. Esse estigma pega. A prova é que qualquer rapazola que abandonou as fraldas há pouco, já se acha o maior. Conseguem ser chefes em jornais que pagam 500 euros, chegam a fazer reportagens de guerra naqueles tours promovidos pelo exército português no estrangeiro, Afeganistão, Timor etc , têm uns portfolios catricas, mas um fotógrafo de imprensa faz-se com muito trabalho, muita humildade, muita paixão pela fotografia, muita cultura fotográfica.

Trabalhem mais e arrotem menos.