Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

25 de outubro de 2005

Um homem elegante

UM HOMEM ELEGANTE. Em desempenho de função jornalística conheci em pessoa Aníbal Cavaco Silva (e também Mário Soares). A impressão, que até hoje perdura, é a de um homem seco e alto, elegante e cosmopolita — bastante contrária ao estereotipo dominante do filho do gasolineiro, imposta ao país pela arrogância citadina da classe de origem dos políticos lisboetas dos anos 80 através do megafone dos media (propriedade dessa mesma classe). Ao contrário de Soares, a quem admirei a coragem política em diversas ocasiões mas que pessoalmente não convidaria para jantar, a mornice de medidas avulsas com que Cavaco impressionou meio país e desbaratou tanto entusiasmo (e dinheiro) a mim só me confrange, mas gostaria de uma amena conversa com ele frente a um vindalho. Evidentemente, não poderíamos falar de política no sentido estreito do termo. A menos que fosse para nos rirmos.

[ Nota: quis a Dona Ironia, que acolita o Senhor Destino, que na minha curta e fulgurante carreira de jornalista da área de política eu nunca tenha escrito uma linha sobre Cavaco Silva nos jornais, tendo-o feito acerca de Mário Soares, era este presidente, primeiro mandato. Como não quero despertar velhos ódios na entourage do Venerável Candidato, coíbo-me de recordar esse passado: ainda nos víamos gregos outra vez ;) Evidentemente, não fui nada simpático. Razão simples: a situação não era nada simpática para o Presidente. ]