Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

24 de agosto de 2008

Neon Lights (para a Catarina)

Com recordações mistas cá por casa, o Sudoeste deste ano permitiu-me ouvir alguma música electrónica moderna — não lá, mas na viagem de entrega de adolescentes. Moderna já deste século e no entanto tão próxima da música electrónica que fez a minha perdição, e tanto cavou a minha diferença, no final dos 70, e todos os 80.

Diferença para a maioria dos meus amigos. Súbditos do deus rock e derivados. Na altura só um punhado de alucinados ouvia “música electrónica” e “rock alemão” (designações para o que hoje se chamará simplesmente de tecno, sendo que o alemão vem, precisamente, do facto de os Kraftwerk serem da Alemanha, inspirando outras bandas de lá). O que fugisse das visões delicodoces do flower power da década anterior e do seu contrário, os feios, porcos e maus do rock pesado, era considerado abaixo de marginal.

Os Kraftwerk tornaram-se primeiro uma coqueluche televisiva — romperam tanto na estética visual quanto na música, o que os tornava irresistíveis para as televisões da Europa Central então em franca expansão — e depois numa banda de culto, um culto que haveria de se tornar grande, grande já na década de 90 e mesmo este século.

À estranha e súbita proximidade musical presto agora tributo desenterrando do formidável arquivo do YouTube este Neon Lights, dos Kraftwerk (e este link é para seguir).

(leitores de feed e newsletter, este link)

Uma selecção de Kraftwerk na continuação do post.

 

Radioactivity numa gravação do meio desta década

(leitores de feed e newsletter, este link)

 

Nice rare live clip from 1981: Pocket Calculator em… italiano! Louco! Gravado para a RAI:

(leitores de feed e newsletter, este link)

 

Um menos conhecido Telephone Call com uma batida notável, perfeitamente actual, moderna.

(leitores de feed e newsletter, este link)

 

Electro Cardiogram numa gravação que não consigo identificar.

(leitores de feed e newsletter, este link)

 

E a fechar o fabuloso Autobahn !!! Aqui a versão do clip de 1975 tem a vantagem de podermos ver o momento em que se começa a definir a música electrónica tal como a conhecemos hoje: os instrumentos substituidos por computadores e caixas de ritmos feitas à mão pelos quatro músicos:

(leitores de feed e newsletter, este link)

 

E aqui uma versão moderna e mais completa da música, que se estende, estende, estende — como as auto-estradas alemãs. Demasiado calma, talvez.

(leitores de feed e newsletter, este link)