Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

10 de março de 2008

O desejo de Circe

circebattle.jpgCirce é uma daquelas personagens mitológicas que merecem a comiseração dos Homens. O seu desejo é básico: quer ter. Desastrada, porém, no relacionamento com os seres vivos, nunca obtém pelo que se vinga usando a feitiçaria para transformar em porcos os homens no seu caminho.

Feiticeira maldosa, o mesmo é dizer limitada ao lado menos interessante do espectro de sortilégios e poderes que tornam os feiticeiros de vistas largas em personagens fascinantes, Circe tinha em manha o que lhe faltava em inteligência. Não foi preciso mais que um mensageiro, Mercúrio, o moço de recados de Júpiter se quisermos, para a reduzir a mulher sem magia, avisando Ulisses das intenções da maluca.

Incapaz de compreender até o encanto do seu próprio poder, Circe só possuiu quem transformou em pedra ou animal. É o que se pode chamar de ter uma vida medíocre. Mesmo para uma personagem da mais infantil das mitologias, que ao longo dos tempos e das histórias basicamente fez carreira a assustar adolescentes impressionáveis.

(imagem: Diana, a Mulher-Maravilha, enfrenta Circe uma vez mais – arte do grande banda desenhista brasileiro Mike Deodato para a DC Comics)