Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

21 de maio de 2008

Candidatos do PSD menosprezam web social

 

Candidatos do PSD menosprezam web social — é o título da capa do P2 de hoje, com chamada à primeira página do Público (link). Lá dentro, 3 páginas, das quais uma ocupada pelo coração desta reportagem assistida por computador: a infografia que mostra a relação de cada um dos candidatos com a Internet e a web social, com outros políticos portugueses e internacionais para comparação.

A recolha de dados para a infografia foi mais trabalhosa do que propriamente a escrita da peça, que tem 15.000 caracteres (2.500 palavras).

É claro que recomendo a leitura deste artigo — o meu primeiro artigo fora do Expresso em muitos anos, não sou capaz de recordar qual foi a última vez, antes desta, que publiquei noutro jornal. Isto torna-me publicamente o que eu já era oficialmente: um jornalista free-lancer.

Mas há algo a acrescentar.

Este tipo de reportagens tem o problema do tempo. Para terem uma ideia, desde que a peça foi aprovada pelos editores do Público até à sua edição final os dados para a infografia mudaram por 3 vezes. A questão passa pelo tempo de execução, normal numa publicação como o Público: este artigo foi começado há quatro semanas, o primeiro draft para a infografia tem esse tempo (publicarei aqui em breve), a aprovação foi rápida, mas a oportunidade de publicação não tanto, devido ao calendário do P2.

Mas passa também, e sobretudo, pela rapidez com que tudo muda na web.

Quando comecei a recolha de dados, nenhum candidato tinha site próprio. Nessa semana foram registados quatro. (Santana Lopes registou o seu já a peça estava aprovada no Público.)

Pedro Passos Coelho foi quem mais mudanças obrigou — o que é bom sinal para ele. Até ao dia 4 de Maio, não tinha ficha na Wikipedia — só descobri esta numa das rondas de verificação de dados, já nos últimos dias antes da publicação (no fim de semana).

Pedro Santana Lopes não tinha Flickr e passou a ter.

O meu drama, que passei à Isabel Salema, era a inevitável data de fecho da infografia. Se ocorresse demasiado cedo em relação à data de publicação, os riscos de desactualização aumentavam.

Eu não conhecia a capacidade de resposta do Público e por outro lado há décadas que não seguia o ritmo dos diários (passei 20 anos em ritmo de semanário e no online, mas no online não há sujeições deste tipo). Fiquei tranquilo. Pudemos mudar o último dado (ficha de Passos Coelho na Wikipedia, mais 10 pontos) na véspera. Ontem às seis da tarde ainda se fez uma verificação final, com a infografia aberta.

Vou publicar mais tarde o quadro completo, actualizável e actualizado que originou a infografia, estou a pensar em que formato e até que grau de interactividade.

Até lá, um obrigado à equipa do Público e em particular ao António Granado e à Isabel Salema.