Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

15 de outubro de 2008

O telemóvel devia estar ocupado

Manuela Ferreira Leite teve a primeira atitude de bom senso político com a aceitação da candidatura de Pedro Santana Lopes à Câmara Municipal de Lisboa. E foi barbaramente zurzida por isso por conselheiros (que pelos vistos tinham o telemóvel ocupado e desta feita não puderam aconselhar a Manuela o que fazer) e ex-conselheiros. O PSD real respira de alívio.

Ao sinal, o blogosférico pessoal pulou de contente. Pulou mal. A chefe esteve bem. A chefe não tem de cuidar da imagem que os outros acham que ela deve ter. Cuidar, Manuela cuida dos de sua casa. No partido, a preocupação do líder é chegar ao poder. Os santos estão nos altares e os teóricos escrevem manuais. No caso concreto, e tendo em conta a real politik que a alguns parece ter esquecido, o único caminho do PSD para eventualmente chegar ao poder em Lisboa é Pedro Santana Lopes.

Já lá esteve.

Tirando a argolada do Parque Mayer (estou a dar de barato que o seja; conheço o assunto pelos jornais), não estava a fazer uma presidência má. É hipocrisia assacar-lhe todas as culpas pelo estado a que a gestão da CML chegou. Nunca percebi exactamente o que se passou na Figueira, mas não deve ter sido nada mau — as más notícias correm bem mais que as boas neste Portugal depressivo.

Politicamente, PSL é um valor seguro. É combativo. É conhecido. É “eleitoral”, no melhor sentido da palavra. É experiente. Gere bem pessoas, desde que o não soltem demasiado. Aprendeu. Sai menos à noite e nas colunas sociais. Nada despiciendo: será menos uma voz a moer, e mais um aliado. De circunstância? This is politics, man, get real.

É o trunfo político que Fernando Seara nunca seria e Paula Teixeira da Cruz talvez venha a ser, um dia. (Se houve mais alguém apontado, ou a sonhar, com a CML, não dei por isso.)

Manuela Ferreira Leite teve de tomar uma decisão difícil, sabendo que não seria bem engolida por algumas elites do partido. Teve a coragem suficiente para o fazer. É a decisão certa. Não é nada fácil ganhar a António Costa, um peso pesado astuto, mas se o PSD tem alguém para um combate de pesos pesados, esse alguém é Pedro Santana Lopes.

Mais difícil será a Manuela mandar Passos Coelho para Bruxelas…