Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

29 de abril de 2008

Quatro razões mais uma para Barack Obama ganhar as presidenciais americanas

barackobama.pngMark “Netscape” Andreessen apresentou quatro razões para Barack Obama ganhar as eleições presidenciais americanas a seguir à vitória nas primárias dos Democratas.

Andreessen teve o privilégio de falar com Obama ainda senador e desse encontro trouxe impressões que ajudam a encaixar o candidato num quadro de apoio inusitado e nunca antes testado ao ponto a que tem sido nestas primárias.

Refiro-me ao quadro da web social, que não é propriamente a mesma coisa que o punhado de blogues que já fez ferver a campanha anterior.

E é nesse quadro que eu acrescento uma razão, ou por outra, a ilustração simples de uma das charneiras entre os dois candidatos.

Leia as justificações de Andreessen (que não é um analista político, convém frisar) em An hour and a half with Barack Obama.

Estas parecem (e são) razões simples. Razões de fundo: o fenómeno de identificação do candidato com as energias de esperança e mudança no colossal país não vêm da retórica e da propaganda. Vem primeiro da proximidade. Barack Obama, o candidato dos social media, tem maior proximidade com as faixas mais energéticas do actual eleitorado americano e foi por aí que derrotou Hillary Clinton, a candidata dos mainstream media.

E para ilustrações simples, nada melhor que a comparação entre os Twitters dos dois candidatos: Obama, o que ouve, surge horizontal, integrado, rodeado de caras; Hillary, a que fala, surge vertical, intocável, desintegrada, sozinha.

twitter-obama-clinton.jpg