Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

3 de dezembro de 2008

Um problema político chamado educação

Já antes aqui deixei claro que penso residir na questão da educação o único problema sério do consulado a caminho de 4 anos de José Sócrates. O dia de hoje não deixa margem a dúvidas.

Todas as questões políticas têm sido razoavelmente geridas pelo executivo, com razão ou sem ela, deixando o país melhor governado ou pior — o que é, em larga medida, uma questão de opinião, sobretudo nos dias que correm, em que temos a ilusão de que escrutinamos em tempo real os efeitos da governação de um país.

Se no caso da crise financeira — provocada por managements bancários cuja enormidade das suas inépcias só consegue rivalizar com os seus salários — Sócrates parece ter comprado a paz de espírito para as triplas eleições de 2009, afigurando-se-me pouco provável que os grupos económicos venham a mexer mais do que as palhas da boa educação para apoiar os partidos oposicionistas e nomeadamente um PSD em profunda crise de identidade, a rebeldia de professores e alunos está bem mais difícil de domesticar.

É bom que José Sócrates e o PS se concentrem nesta questão a 100 por cento e não relativizem nem se distraiam com redondos vocábulos. Se de algum lado pode vir um amargo de boca para 2009, é das escolas.