Certamente!

Paulo Querido. Na Internet desde 1989

10 de dezembro de 2020

Quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Hoje:
ūüĎč Eduardo Cabrita ūüĎč
ūüíį 1,8 bili√Ķes ūüíį
ūü§£ Miguel Sousa Tavares ūü§£
‚ėĻÔłŹ O Fernando, o Miguel e¬†eu


1
Eduardo Cabrita vai sair, deixando um vazio no Governo. Um golpe bem escusado. Podemos sempre contar com o PS para se exceder na má gestão dos timings políticos. Mudar de agência de PR e imagem não era nada má ideia.


2
No di√°rio do dia 4 mostrei-me otimista acerca da resolu√ß√£o r√°pida do problema h√ļngaro-polaco. Ontem o PM polaco anunciou o que se adivinhava iminente: Hungria e Pol√≥nia acordaram dar um passo atr√°s, o que permite desbloquear o or√ßamento e fundo de recupera√ß√£o da UE. Foi o √ļltimo servi√ßo prestado pela presid√™ncia alem√£ do Conselho Europeu. 1,8 bili√Ķes de euros v√™m a√≠ para ajudar os Estados membros a recuperarem da pandemia. Uma pipa de massa, que fica conhecida em Portugal pelo ternurento nome de bazuca. N√£o √© ainda claro qual foi a ced√™ncia da Uni√£o. O Jornal de Neg√≥cios explica¬†bem.

Já o imbróglio do Brexit conheceu outro revés. Afinal não há acordo. Nem vai haver tão cedo. Por mim, bye bye UK.


3
#blockchain #fakenews #LOL #ROTFL #MST #TVI #Cristina Tweet do ano: https://twitter.com/tiagorrdias/status/1336762579126001666


4
N√£o posso precisar se foi 1993 ou 1994, mas num destes anos abrimos a BBS A Rede. D√°vamos acesso ass√≠ncrono √† Internet, uma novidade. D√°vamos endere√ßos de e-mail. O Miguel Vitorino era o mago da coisa: o Fernando Soares e eu fomos roub√°-lo √† CATS BBS, que era a refer√™ncia das liga√ß√Ķes em Portugal. Al√©m, claro, da CompuServe. E da rede universit√°ria atrav√©s da qual o c√©lebre zmaglh gopherizava a biblioteca do Congresso dos EUA (n√£o esperava agora esta, √≥ Jos√© Magalh√£es).

Pass√°vamos horas no nosso escrit√≥rio da Avenida da Rep√ļblica, cedido pela Socedite‚Ää‚ÄĒ‚Ääa empresa que tinha o Correio Inform√°tico e a C√©rebro, publica√ß√Ķes hist√≥ricas de tecnologia. A Rede era composta por seis servidores com modems acoplados a linhas telef√≥nicas, cada modem ligado a um n√ļmero fixo. Os utilizadores ligavam esses n√ļmeros. S√≥ podiam estar seis ao mesmo tempo. Noites perdidas a teclar com o zmaglh, que est√° neste instante a sorrir. E com o dr bakali, outro not√°vel da pr√©-hist√≥ria da Internet portuguesa, que escrevia para o Blitz (ent√£o ainda um jornal, a primeira publica√ß√£o portuguesa a ter uma vers√£o eletr√≥nica, dispon√≠vel precisamente na nossa¬†BBS).

N√≥s tr√™s √≠amos cear ao Galeto, √†s vezes o bakali aparecia. A Telepac era a rainha dos dados com o seu servi√ßo X.25, uma mina de ouro: o Expresso pagava salvo erro 300 contos (1.500 euros) por uma linha dedicada entre as reda√ß√Ķes de Lisboa e¬†Porto.

A Esot√©rica do M√°rio Valente arrancou. A Rede atr√°s dela, usando o UUCP deles para trocar e-mail com a Internet. Em 1995 est√°vamos a vender acesso √† Internet. A Esot√©rica tamb√©m. A IP Global arrancou. A Telepac come√ßou a encapsular TCP/IP em cima das linhas X.25‚Ää‚ÄĒ‚Ääcom a ajuda do ‚Äúnosso‚ÄĚ Miguel. Em breve se tornaria no principal ISP portugu√™s.

A Rede n√£o ficou para a Hist√≥ria da Internet em Portugal. O Miguel, o Fernando e eu escrev√≠amos nas publica√ß√Ķes da Socedite. O Miguel fazia testes a computadores para a C√©rebro. O Fernando dirigia o Correio Inform√°tico, que se estava a transformar em Computerworld. Eu era o chefe de¬†reda√ß√£o.

O Miguel tamb√©m editava uma esp√©cie de magazine cujo nome n√£o me recordo e que se transformou na Recortes. A Recortes era uma das tr√™s publica√ß√Ķes espec√≠ficas sobre tecnologia e Internet que podias encontrar online no final do s√©culo XX. As outras eram a D√≠gito e o sapo.tek. Esta √ļltima ainda por a√≠¬†anda.

Mesmo antes do século mudar de letra, no auge da era dotcom, o Miguel vendeu parte da Recortes a uma poderosa empresa de software e consultoria. Grandes planos para se profissionalizar e tornar a publicação numa referência. Claro: foi buscar-me ao Expresso, onde eu tinha acabado o inesquecível suplemento XXI e mantinha uma dupla página na Revista sobre a WWW.

O Fernando morreu fez agora cinco anos. Cremei-o. O Miguel morreu este outubro. Só soube esta semana. Nesse instante senti-me sozinho nesta parte do mundo que juntos ajudámos a criar.



OPINI√ēES

Teresa Ribeiro acha que Os direitos humanos s√£o uma realidade viva. P√ļblico¬†ūüĎČ

Valupi afinfa em Daniel Oliveira e Lu√≠s Pedro Nunes: Das coisas estranhas e das outras que n√£o causam estranheza. AspirinaB ūüĎČ

Jo√£o Almeida Moreira goza com a pol√≠tica brasileira: O alfaiate de Bolsonaro. Di√°rioDeNot√≠cias ūüĎČ

Miguel Relvas alucina sobre o governo: TAP: a inevitabilidade de um chumbo.Expresso ūüĎČ

Manuel Carvalho despede Eduardo Cabrita: N√£o merece uma medalha, senhor ministro. P√ļblico¬†ūüĎČ

Jo√£o Atan√°sio baba por Marcelo: O recandidato. JornalEcon√≥mico ūüĎČ